Arquivo do mês: janeiro 2011

La Rioja

Terceiro dia de viagem, 2080km percorridos chegamos na região de La Rioja. Ontem rodamos uns quase 800km, metade na chuva. Lugares interessantes perto de Córdoba que perdemos de explorar por falta de tempo. Há muita coisa para ver e hoje chegamos a Ischigualasto (Vale de La Luna), nosso primeiro ponto do roteiro. O lugar é realmente a Argentina Incrível como diz a Ju. Uma paisagem espetacular de um deserto colorido. A temperatura ontem e hoje chegou a mais de 40º e só refresca um pouco na noite. Agora estamos no Parque Nacional de Talampaya onde vamos acampar pra fazer um tour amanhã se não chover. Hoje passou o dia fechado por causa disso apesar de só ter chovido na madrugada. Também quase perdemos o Vale de La Luna por isso mas deu tudo certo e perdemos somente um dos atrativos pois o rio não permitiu a travessia. Bem, tem muita coisa acontecendo aqui e podia ficar horas aqui relatando temos que tomar um mate e curtir o entardecer nesse lugar incrível. Algumas fotinhos vão falar mais do que nós.

Anúncios

1142km em 1 dia.

Saímos as 5h de casa e rodamos 15 horas direto. Bati um recorde. Chegamos além do previsto, além de Santa Fé que tem inclusive uma cerveja muito boa. Dia lindo alterou com um temporal de duas horas onde tive que andar a 40 pra enxergar alguma coisa. Quase ficamos sem gasolina por duas vezes por descuido meu e na hora H faltando 2 km pra terminar conseguimos. Foi por muito pouco. O calor estava demais 42º marcava o termômetro. A tardinha resolvemos parar num posto e la do lado debaixo de umas árvores montamos a barraca. Na madruga uma chuvinha nos fez pular da cama e já pegar a estrada. Um magnífico nascer do sol atrás da gente e na frente a chuvarada que vem pesada. 8:40 da manhã. Estamos a 200km de Córdoba.


Pé na tábua!

4:07 – Acordado desde as 3:30, calorão insuportável, relógio iria despertar as 4:20. Quem disse que conseguiria dormir uma boa noite de sono? É sempre assim antes de uma grande viagem. Não tem o que fazer, quando se acorda, se acorda! Então vamos cair na estrada mais cedo, bem antes do sol nascer e quando a primeira pessoa ler este post, já estaremos acerca de Argentina. Próximo post. Sei lá aonde. A meta é percorrer 1000km hoje. Será possível? Veremos. Até breve. Fui.


Zíper vs Férias

Ao meio dia fui correr atrás do zíper da barraca depois do almoço e depois de ter passado no super para comprar uns miojo e umas outros mantimentos para comer. Depois fui ver o sapateiro que estava fechado, calor infernal, trânsito caótico. Encontrei um sapateiro de esquina e me deu um endereço pra ir comprar os puxadores do zíper. La fui eu. Encontrei e comprei. Na volta deixei a barraca com o sapateiro que olhou e achou grande os puxadores. Bem. Talvez não de certo e toda essa função tenha sido em vão mas as 18 horas eu vou saber.
Enquanto isso, onde estará a Ju? Sei que ela da aula até as 21 horas e a gente pretende sair antes do nascer do sol. Bem, a gente não tira férias para descansar. Apenas para sair do caos urbano e ficar o máximo possível em contato com a calma eterna e colorida da natureza.

Estava pensando que existem 4 tipos de pessoas em relação as férias. As que tem dinheiro e viajam sempre. (Numa boa, sem preocupações com gastos, coisa boa.). Em segundo lugar é onde a gente se encaixa, viajamos sempre, só que sem dinheiro. (Apenas o suficiente para ir até lá ou ali, da maneira mais econômica possível, contando as moedinhas e morando na barraca.). Existem também em terceiro lugar os que não fazem nada mas tem grana. (É melhor curtir um tevezão em casa e encher a cara de cerveja importada e não se incomodar com nada mesmo afinal férias é para descansar.). E por último a grande maioria que já nem importa se gostem ou não de viajar nas férias, não fazem nada porque acabou o dinheiro. (Mas de qualquer maneira também tem férias.)


Último dia de trabalho.

Dia agitado será meu último dia no trabalho. Não pelas 8 horas que estou envolvido com ele mas com o tempo que sobra fora destas 8 horas para realmente aprontar tudo. As coisinhas de última hora, as duas ou três descidas de escada até o carro para largar as coisas, combustível, óleo, água e os pneus já calibrei ontem.
Uma coisa que lembrei só ontem e hoje talvez não consiga dar jeito em tempo. A minha barraca de um arco. Sim. Foi com ela que viajei de moto. Ela é leve, prática e tem aerodinâmica para aguentar ventanias de montanha. Seria talvez ideal para o trekking do Aconcágua se não fosse por um detalhe. Os zípers estão estragados. Teria que arrumar isso hoje ou já era. Acho que não vai dar, já to vendo. Bem, ela não é uma barraca de montanha talvez tenha que alugar uma lá de qualquer jeito. Comprar uma? humm. Teria que ver se vale a pena. Aliás essa será uma boa oportunidade de comprar esse tipo de equipamento já que os preços lá são bem mais em conta. Veremos. Bom, falta pouco mas o dia é longo.


1 dia e meio

Já está tudo praticamente pronto. Na verdade tudo já esta praticamente pronto sempre. A gente tem esse costume de acampar, até no inverno ocorrem viagens belas e geladas e a mochila com os sacos de dormir, os isolantes térmicos, a barraca, fogareiro etc, a coisa grossa, já fica pronta no mochilão desde a última vez que levantamos acampamento, então é muito fácil reunir as coisas de sempre e carregar no carro. Claro que essa viagem exige coisinhas a mais, mas são poucas. Diria que é como estar se preparando para um acampamento de inverno já que vamos ter temperaturas baixas nas altitudes. Uma das coisas extras é um conversor de energia. É um aparelho que transforma os 12volts do carro em 110v e aí eu posso carregar as baterias das câmeras e do note. Não tem mistério uma vez que o que realmente importa nessa viagem é levar os documentos necessários para tal. O mistério apenas está neste imenso território desconhecido por nós. Até agora.


Site no ar!

Bem amigos, o meu site voltou pro ar! Mudei de hospedagem e já podem ser acessados a partir deste blog. Algumas coisinhas então pendentes como alguns links internos de alguns dos sites mas estamos resolvendo isso. Quem quebrou esse galho pra mim foi meu colega Matheus. Obrigado.